728 x 90

O que são desordens temporomandibulares e quais são os tratamentos?

Você tem dor em sua face, mandíbula ou dentes? Você tem problemas durante a mastigação? Sua mandíbula apresenta ruídos ou estalos? Esses sintomas podem ser causados por Desordens Temporomandibulares (DTM). Nesta matéria vamos descrever um grupo de problemas mais comuns que acometem a Articulação Temporomandibular (ATM) e os músculos mastigatórios, e como podemos ajudá-lo.

As Desordens Tempormandibulares causam uma variedade de sintomas, devido a isso, dificultando o correto diagnóstico e retardando o início do tratamento. Entre os mais comuns estão:

- Dor de cabeça (Cefaleias, Enxaquecas)
- Dor em um ou mais dentes
- Dor e/ou cansaço ao mastigar
- Dor na região cervical
- Estalos e/ou ruídos ao mastigar e abrir a boca
- Dor próximo ao ouvido
- Episódios de travamento mandibular
- Perda da amplitude de abertura bucal

Se você apresenta sintomas descritos acima, procure seu cirurgião-dentista e, se necessário for, procure um especialista. Estes profissionais estarão aptos a diagnosticar e indicar o melhor tratamento. As DTM podem ser tratadas. O sucesso do tratamento alcançado depende também do entendimento do próprio paciente sobre as causas, assim, realizando as condutas necessárias e aprimorando sua qualidade de vida.

Como funciona nossa mastigação e os movimentos mandibulares?

O sistema mastigatório é extremamente complexo e apresenta características estruturais e anatômicas singulares. Músculos contraem e relaxam quando você abre ou fecha a boca, ao mesmo tempo que um disco articular, um tipo especial de cartilagem, ligamentos e finalmente os dentes, em um bom encaixe dentário, funcionam absorvendo a pressão nos movimentos mandibulares e durante a trituração dos alimentos.

Devido às causas multifatoriais que podem acometer o sistema, desordens musculares, articulares, isoladas ou combinadas, levam a dor, desconforto e até a severas limitações de abertura da boca ou o que chamamos de luxações articulares.

Os sintomas podem ser resultado da combinação de diferentes fatores etiológicos (causadores) associados, como hábitos nocivos, apertamento dentário ou ranger dos dentes (Bruxismo), maloclusões (desalinhamento e/ou falta dos dentes), problemas psicossomáticos, doenças degenerativas, em virtude do uso de medicações, deformidades dento-faciais, desequilíbrio hormonal e deficiências nutricionais.

Como são feitos o diagnóstico e o tratamento?

Tratando-se de causas multifatoriais, que apresentam sintomas variados, muitos profissionais estão envolvidos em definir o diagnóstico e estabelecer o melhor tratamento.

O cirurgião-dentista, cirurgião bucomaxilofacial, fisioterapeuta, otorrinolaringologista, geralmente, são os profissionais que recebem em suas clínicas este tipo de paciente. Para o melhor diagnóstico é necessário que um correto preenchimento do questionário de saúde seja realizado. Ocorrência de doenças ou traumas pregressos, medicações de uso crônico, doenças degenerativas já diagnosticadas, doenças reumatológicas, doenças crônicas, distúrbios emocionais, situações de estresse recentes, entre outros fatores, devem ser relatados.

Após, deverá ser realizado um exame clinico do paciente. Palpação na musculatura mastigatória e cervical, exame bucal, avaliando os dentes, oclusão e mucosa bucal, análise facial, conferência dos movimentos mandibulares e presença de ruídos ou estalos na ATM. Muitas vezes serão necessários exames de imagem para colaborar no diagnóstico preciso. Exames como radiografias bucais e faciais, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros, podem ser solicitados.

O tratamento deve incluir:
Medicamentos:
•Anti-inflamatórios
•Analgésicos
•Relaxantes Musculares
•Antidepressivos
Fisioterapia:
• Massoterapia
• Exercícios de fortalecimento muscular
• Manipulação articular
• Ultrassom
• Estimulação muscular (Miotens)
Tratamento Odontológico:
• Restaurações
• Tratamento de canal
• Implantes/Próteses
• Ortodontia
•Confecção de dispositivos intraoclusais (Placas de mordida)
Avaliar condições de saúde geral:
• Psicológicas
• Endócrinas
• Respiratórias
• Posturais
Intervenções Especializadas:
•Aplicação de terapias intramusculares (Toxinas Butolínicas – Botox, Anestésicos, Corticoides)
•Aplicação de terapias intra-articulares (infiltrações medicamentosas e lavagens articulares)
•Cirurgias Artroscópicas minimamente invasivas (cirurgia por vídeo)
•Cirurgias Articulares


Uma pequena parte das DTM acabam sendo submetidas a cirurgias articulares. Devido à natureza multifatorial das desordens, um tratamento adequado, com diferentes especialidades envolvidas, pode levar a uma situação de controle e equilíbrio.

De qualquer forma, o diagnóstico preciso e tratamentos precoces, assim como um monitoramento preventivo são necessários, bem como alguns cuidados na rotina diária do paciente.

Abaixo, algumas dicas para você evitar sobrecargas mastigatórias e posturais que possam desenvolver e perpetuar sintomas de DTM:
- Mantenha uma boa postura corporal
- Revise travesseiros e tipo de colchão
- Evite hábito de mascar chicletes
- Não roer unhas ou mordiscar objetos, como caneta, por exemplo
- Se você não está mastigando alimentos ou falando, sua boca deve permanecer fechada de maneira relaxada e confortável
- Evite serrar os dentes
- Não faça movimentos mandibulares desconfortáveis
- Pratique atividades físicas apropriadas
- Descanse, seu sono deve ter qualidade!
- Dieta macia caso encontre-se com dor ou desconforto
- Administre o nível de estresse e ansiedade

Então não esqueça, se você tem dor ou desconforto na face, ao mastigar tem dificuldades, ruídos ou estalos na mandíbula, você pode estar desenvolvendo algum tipo de Desordem Temporomandibular. Você não precisa conviver com dor ou desconforto. Procure um especialista ou seu cirurgião-dentista para o diagnóstico correto e tratamento.

O tratamento deve trazer funcionalidade e alívio dos sintomas, porém as Desordens Temporomandibulares podem retornar a qualquer tempo. Você pode evitar futuros problemas e manter a saúde do seu sistema mastigatório evitando alimentos e hábitos que pioram seus sintomas, mantendo controle sobre estresse e ansiedade. Preste atenção na sua postura diária e siga o plano de tratamento proposto. Lembre-se que o papel do próprio paciente é fundamental para o sucesso do tratamento!

Últimas Colunas

Instagram @revistaonne